Puxando o próprio saco – por Carlos Brickmann – Hora Campinas


O conjunto Anjos do Inferno lançamentos, no Carnaval de 1945, o grande hino da política brasileira: “Lá vem o cordão dos puxa-sacos / dando vivas a seus maiorais / Quem está na frente é passado pra trás / E o cordão dos puxa-sacos cada vez aumenta mais ”. Os autores, Roberto Martins e Eratóstenes Frazão, não pensavam em indecência: puxa-sacos era o apelido dos subalternos que, nas viagens, carregavam os sacos com a roupa dos oficiais do Exército.

Sejamos justos: Bolsonaro também não deve ter pensado que, ao dar a si mesmo o prêmio de Mérito Científico, por decreto publicado no dia 4, estava sendo indecente. Sejamos justos: se ele não pensa, como vai pensar em coisa indecente? Não pediu, só fez: decretou-se Grão-Mestre da Ordem Nacional do Mérito Científico. Decretou também que o ministro da Ciência, Marcos Pontes, é o chanceler dos meritíssimos. Paulo Guedes, Economia, e Milton Ribeiro, Educação, recebeu o título. Uma curiosidade: há poucos dias, o meritíssimo Paulo Guedes chamou o chanceler dos meritíssimos de burro. Mérito para ambos: um, o que chamou; e o outro, que não respondeu.

Um provérbio diz que Elogio em causa própria é insulto. No caso, nem tanto: o decreto que criou o prêmio, do tempo de Fernando Henrique, atendimento que o presidente da República será o Grão-Mestre. Mas justo Bolsonaro, que cortou o orçamento de Ciência e Tecnologia para 2022 em 92%? Pois Bolsonaro deve estar orgulhoso do título que se concedeu.

Tira, põe

No decreto, o tal prêmio de Mérito Científico é estendido a 32 cientistas de verdade. No dia seguinte a premiação de dois deles foi cassada. Ambos encontrados feitos estudos sobre a cloroquina e chegados à conclusão de que não era adequada para os atingidos pela Covid. Pura coincidência, claro.

Moro na brasa

Os números não são ruínas para Sérgio Moro: normalmente, antes mesmo de se declarar candidato a presidente, antes de fazer campanha, é o terceiro nas pesquisas. Mas agora as coisas que ficarão difíceis: até o próprio partido que escolher, o Podemos, há parlamentares que não o toleram. Mais: o Podemos, sozinho, não tem estrutura para ganhar uma eleição nacional, a menos que Moro repita o fenômeno que foi Bolsonaro e empolgue eleitores – o que não é seu estilo. E nos demais partidos a rejeição a Moro é grande, em parte por seu trabalho na Lava Jato, em parte por ter aceito participar do governo de Bolsonaro, em parte por ter rompido com Bolsonaro.

Há ainda os que temem que, com poderes presidenciais, Moro seja perigoso. Como juiz de primeira instância, as pessoas presas presas sem julgamento por muito tempo, até que concordassem em fazer delações premiadas. E, de acordo com relatos diversos, baseados em material, capturado de suas conversas com os procuradores, teria ultrapassado seus poderes legais. Se fez isso como juiz de primeira instância, que faria como presidente? Sua primeira viagem como pré-candidato a Brasília foi bem rala: não havia assim tanta gente querendo conversar com ele.

Opa!

A decisão do procurador Deltan Dallagnol de deixar o Ministério Público e talvez de entrar na política, candidatando-se a deputado federal, acendeu todos os alarmes. Dallagnol trabalhou na Lava Jato com Moro, e na entrada de ambos ao mesmo tempo nas disputas eleitorais despertou a suspeita de que estar querendo lançar como bases de um partido lavajatista. Com todos os defeitos que ter, Moro e Dallagnol não enfrentam apenas a resposta do pessoal legalista, que acredita que os réus devem ter todas como garantias: assustam ainda boa parte dos políticos, muitos dos quais já enfrentam processos.

Que é que os dois podem fazer com os colegas que trabalham com o orçamento secreto, por exemplo?

A hora da verdade

A PEC (proposta de emenda constitucional) dos precatórios – traduzindo, que permite ao Governo adiar o pagamento de suas dívida já transitadas em julgado – foi aprovado em primeiro turno, na Câmara, com quatro votos de folga. O segundo turno será votado na terça. Há partidos que são contra mas têm deputados que votaram um favor, alegando que o dinheiro que vai sobrar será destinado a ajudar a população mais pobre; esses partidos irão trabalhar para que suas bancadas votem unidas contra o projeto, já que, em sua opinião, a maior parte do dinheiro irá indiretamente para uma campanha de reeleição de Bolsonaro. É possível que êxito êxito, já que como campanhas de reeleição dos actuais parlamentares dependentes da distribuição de dinheiro pelo comando partidário. Mas o orçamento secreto tem poder: conforme para manobrado, votam por Bolsonaro. Podem até tapar o nariz, mas votam.

Preços pretos

Prepare-se para a Black Friday: há lojas que já anunciaram baixa de preços de R $ 64,90 para R $ 62,90.

COMENTE: (email protegido)



Source link

Escreva um Comentário