Primo de nadador revelação da classe S5 é ouro no Meeting Paralímpico em Campinas


A etapa de Campinas do Meeting Paralímpico, organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), realizada neste sábado, 13, registrou recordes e resultados relevantes para a nova geração de atletas que surge no cenário nacional.

Os Meetings são uma atualização para a temporada 2021 dos tradicionais Circuito Regionais e Nacional, que já eram realizados pelo CPB desde 2005. A próxima etapa será realizada no CT Paralímpico, em São Paulo, de 19 a 21 de novembro.

Ni sábado, na natação, realizada na piscina da Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas, o campineiro Tiago de Oliveira Ferreira, 20, nadou três provas e conquistou bons tempos. Ele compete na classe S5, representa o Time Nauru e completou os 50m borboleta em 39s91, que seria o 18º tempo do mundo na prova na temporada 2021. Já nos 50m costas, ele fez o tempo de 42s34, o 19º do mundo no ano. Tiago também nadou os 100m livre e terminou com 1min36s84.

Tiago é biamputado de membros superiores, após sofrer descarga elétrica ao tentar tirar uma pipa de um coqueiro pelo qual passava uma corrente de alta tensão, em 2015. O mesmo acidente do qual foi vítima de vítima o também nadador Samuel de Oliveira, 15, e primo de Tiago. Samuka, como é conhecido, também sofreu amputação nos dois braços em decorrência do choque elétrico e integração a equipe de desenvolvimento que treina no Centro de Treinamento Paralímpico em São Paulo.

"Tenho uma rivalidade sadia com o Samuka. Somos da mesma classe na natação, e um puxa o outro nos treinamentos. Confesso que eu temia um pouco a piscina e ele me incentiva a nadar. Samuka é uma inspiração para mim", disse Tiago.

Outro jovem nadador que fez uma boa participação na etapa de Campinas do Encontro Paralímpico foi o também paulista Andrey Ribeiro Woyczak Madeira, 17, da classe S9. Assim como Tiago, ele é do tempo Nauru e, nos 400m livre, fez o tempo de 4min55s13. Nascido em Indaiatuba, Andrey teve de amputar uma perna esquerda com três dias de vida em decorrência da falta de circulação sanguínea no membro.

Antes de entrar na natação jogou futsal. "Nado desde os 10 anos. Vejo o esporte como trabalho e um grande amor. Eu amo nadar e nem sei explicar tal sentimento. Agora, meu foco são as competições: internacionais Jogos Parapan-Americanos em 2023, em Santiago, e Jogos Paralímpicos de Paris em 2024 ", disse o nadador cujo tempo na prova estava no top 25 do mundo neste ano.

Assim como na natação, o atletismo no Meeting de Campinas registrou a presença marcante de competidores jovens, a exemplo de Sueli Pereira Soares, 17, que bateu o recorde nacional no lançamento de disco da classe F46 (para atletas com deficiência nos membros superiores). Um atleta do Ceprevi, de Itapetininga, de São Paulo, lançamento o disco a 25m32 e superou Kelly de Oliveira, antiga detentora do recorde brasileiro. Em 2019, na cidade de São Paulo, Kelly obteve a marca de 22m37.

Dentro de duas semanas, Sueli voltará a competir em São Paulo, desta vez nas Paralimpíadas Escolares, no CT Paralímpico, de 24 a 27 de novembro.

Outro recorde nacional quebrado no Meeting de Campinas foi o dos 200m da classe T45 (também para atletas com deficiência nos membros superiores). O velocista Armando Junior, de 22 anos, representante da Associação Paraolímpica de Campinas (APC), finalizou a prova em 24s63, batendo a sua própria marca de 25s76, obtida na capital paulista, em 2019.

Por fim, Elias Alves Emerick, de 45 anos, é o novo recordista brasileiro no lançamento de disco da classe F63 (atletas com deficiência nos membros inferiores). Ele superou a marca de Washington Pereira da Silva ao lançar o disco a 27m06. O recorde anterior era de 26m52, publicado em 2019, em São Paulo.

Foto: Alê Cabral / CPB



Source link

Escreva um Comentário