Covid: mutirão de vacinação sem agendamento supera expectativa em Campinas, mas adesão de adultos jovens fica aquém | Campinas e Região


Uma campanha, chamada "Campinas Vacina Mais", ocorreu em 10 centros de saúde e aplicou 776 primeiras doses, 836 segundas doses e 2.632 doses adicionais – o que totalizou 4.244 vacinas. Foi a primeira vez que a Secretaria de Saúde da metrópole promoveu uma ação de imunização sem agendamento.

"Nossa expectativa era vacinar 3 mil, e foram mais de 4 mil. Mas a gente viu que o pessoal gosta mais dos postos centrais, e alguns centros mais ociosos. Teve gente que optou por esperar 1 hora na fila do que ir no centro mais longe. Agora a gente quer avaliar se isso pode vir a ser uma estratégia ", disse Von Zuben.

Além de adiantar que uma Secretaria Municipal de Saúde vai avaliar uma possibilidade da ação ocorrer outras vezes e se tornar uma nova estratégia de vacinação, uma diretora afirmada que Campinas passou a ter sobra de horários de agendamento, algo que não ocorria antes.

"Vamos fazer uma avaliação. Em todas as ações que são feitas, depois sentamos com o grupo técnico para avaliar. O agendamento está indo muito bem, e agora começou a ter uma sobra de vagas ".

Adultos jovens como seguem entrave

Vacinação contra Covid em Campinas – Foto: Eduardo Lopes / PMC

Segundo o balanço divulgado na segunda-feira (25), 502 pessoas com idade de 18 a 24 anos procuraram os centros de saúde para receber a vacina no mutirão de sábado.

Já o boletim semanal de imunização, também publicado na segunda, mostra que 43.336 moradores dessa faixa etária ainda não recebeu o imunizante. Sobre a adesão dos adultos com até 24 anos ao mutirão, a diretora não escondeu que esperava mais.

"Gostaria que você tivesse sido mais. O que me preocupa nessa população é que tem muita gente que ainda nem tomou a 1ª dose. Depois que tomar a 1ª, tomar a 2ª é ok ", analisou Von Zuben.

"Não tem lógica de ter gente que não se vacina. Talvez baixa percepção de risco, achar que uma epidemia acabou, não sei exatamente", completou a diretora.

Quando anunciou o mutirão, a Secretaria Municipal de Saúde informou que uma faixa etária de 18 a 24 anos era o principal alvo da campanha, justamente pela grande quantidade de moradores que ainda não recebeu sequer uma dose.

Apesar disso, quem mais aguarda os postos de saúde no sábado foram os idosos. Segundo a massa, moradores de 70 e 74 anos receberam 824 doses.

Centro de Saúde do Taquaral, em Campinas, chamada a ação de vacinação no sábado – Foto: Reprodução / EPTV

O público-alvo do mutirão foram as pessoas a partir de 12 anos que ainda não tomaram a dose da vacina; adultos que receberam a primeira dose da Pfizer há pelo menos 21 dias; Idosos que completaram a imunização há pelo menos seis meses e já podem receber uma dose de reforço.

Uma dose de reforço também será oferecida para pessoas com alto grau de imunossupressão que recebeu a segunda dose há 28 dias e trabalhadores da área de saúde, incluindo estudantes do ensino superior ou área técnica que fazem residência / estágio em hospitais ou Atenção Básica ou em clínicas de saúde humana ou, ainda, em laboratórios de saúde humana.

Os 10 centros de saúde que abriram no sábado foram de Costa e Silva; Taquaral; Vila Ipê; Vila Rica; Aurélia; União dos Bairros; Santa Lúcia; Aeroporto; Santo Antônio; e Valença.

"Foi um evento importante, que atingiu diversas faixas etárias. No entanto, o grande volume foi de dose adicional. A procura de diferentes faixas etárias contribuiu com o aumento da cobertura vacinal no município", afirmou a coordenadora da Vigilância Epidemiológica Valéria de Almeida.

VÍDEOS: destaques de Campinas e região



Source link

Escreva um Comentário